Open Innovation Week

Cursos Executivos (8h) - Reflexão em Inovação | 26/11


1. Near-future design: the perception of a “new possible” and a new role for Design

Salvatore Iaconesi
Faculty of Architecture of the “La Sapienza” University of Rome, ISIA Design Florence, the Rome University of Fine Arts and the IED Design institute, Italy.

Sobre o Instrutor

Salvatore Iaconesi is an interaction designer, robotics engineer, artist, hacker. TED Fellow 2012 and Eisenhower Fellow since 2013.

He currently teaches Interaction Design and cross-media practices at the Faculty of Architecture of the “La Sapienza” University of Rome, at ISIA Design Florence, at the Rome University of Fine Arts and at the IED Design institute.

He produced videogames, artificial intelligences, expert systems dedicated to business and scientific research, entertainment systems, mobile ecosystems, interactive architectures, cross-medial publications, augmented reality systems, and experiences and applications dedicated to providing products, services and practices to human beings all over the world, enabled by technologies, networks and new metaphors of interactions, across cultures and languages.

His artworks and performances have been featured worldwide at festivals and conferences.

Salvatore actively participates to global discussions and actions on the themes of freedoms, new forms of expression and on the future scenarios of our planet from the points of view of energy, environment, multi-cultural societies, gender mutation, sustainability and innovation on both society and business, collaborating with institutions, enterprises and international research groups.

https://www.facebook.com/salvatore.iaconesi
https://twitter.com/xdxd_vs_xdxd
http://artisopensource.net/

Oriana Persico
Oriana Persico holds a degree in Communication Sciences, is an expert in participatory policies and digital inclusion. She is an artist and writer.

Sobre o Instrutor

She has worked together with national governments and the European Union to the creation of best practices, standards and researches in the areas of digital rights, social and technological innovation, Digital Business Ecosystems (DBE), practices for participation and knowledge sharing.

Oriana writes critical, scientific, philosophical and poetical texts that connects to technological innovation, and on its cultural, sociological, economic and political impacts.

She is an expert on the formal analysis of cultural and social trends, with specific focus on social networks.

She creates breakthruogh communication campaigns, performances, research methodologies and strategies.

https://www.facebook.com/penelope.di.pixel
https://twitter.com/PenelopePixel
http://artisopensource.net/

 

Informações Gerais

Idioma
Este curso será ministrado em Inglês

Sinopse
• In the contemporary, interconnected era, innovation comes by establishing dialogues and conversations, and by making.
• The most important product any company and organization can sell today is their vision on the future. In this scenario the ability to open up to a global conversation which confronts this vision to ethical, environmental, societal and political issues is a fundamental asset, as is the capacity to capture the results of these dialogues, and to integrate them into the vision itself.
• This is the era of continuous disruption, in which game-changers - the organizations who are able to radically change the rules of business, governance, design and politics, and to re-frame problems and issues in new, unexpected ways - are the main actors and beneficiaries of innovation processes.
• What is Near-future design? How is it different from Strategic Design? What is a pre-totype and how does it compare to a prototype? How can we use the methodologies of Anthropology and Ethnography to observe and sense the transformation of societies? What are the Unknown Challenges, the ones which have been not yet identified bu operators and key players, but emerge from Anthropological observation and creativity? How can we use these insights to create near-future designs (pre-totypes) which are able to disrupt markets, establish a global conversation involving key players, all while communicating the organization's vision for the future and opening it up to a co-creative approach which will also benefit from the global discussion? What are Transmedia Narratives and how can we use them to make all of this happen?

Para quem?
• leaders, entrepreneurs, managers

Takeaways
• bring a new methodology in your organization or company
• learn about the toolkits and formalized methodological approach to Near-future

Programa

08:30

Credenciamento

09:00

- Case studies: a number of famous near-future designs, the transmedia narratives that have brought them to the knowledge of the global audience, the observations and strategies which have brought to their existence and their outcomes in terms of market disruption, business opportunities and communication
- The techniques of near future design and transmedia storytelling

13:00

Brunchstorming

14:00

- Let's make a pre-totype: the whole cycle of near-future design in a simplified scenario that will allow participants to experience the whole process and methodological approach

18:00

- Final conclusions, insights and takeaways

2. Corporate Effectuation: new ventures creation and the entrepreneurial strategy

Thomas Blekman
Rotterdam School of Management
Erasmus University, Holland.

Sobre o Instrutor

Thomas Blekman Thomas Blekman's (@effectuationNL) personal ambition is to make established companies more entrepreneurial. Orchestrating Kick-ass Pandas, as he calls it. Thomas is partner at De Beukelaar Groep, founder of Effectuation-Intelligence and clinical professor at the Rotterdam School of Management, Erasmus University.

Thomas advocates that the traditional MBA curriculum for running large companies does not work for teams searching for and co-creating new, repeatable, scalable and profitable business models. This requires dramatically different rules, roadmaps, skillsets and tools in order to minimize risk to an affordable level and optimize chances for success.

Thomas called his body of knowledge 'Corporate Effectuation'; a mixture of state of the art business-startup approaches and the expertise of expert entrepreneurs, offering you the entrepreneurial mindset and a discipline for organizing growth from within established companies.

De Beukelaar Groep - has never been a start-up: it was always there, as a group of talented individuals (cats?) permanently busy in creating unique programs for organizational behavior and executive development, and by doing so changing (their) clients’ lives (in business and personal contexts).

Effectuation-Intelligence - game changer and new kid on the high-end consulting block. Worldwide network of entrepreneurship experts and serial entrepreneurs focusing on unleashing the entrepreneurial potential from within established companies.

Rotterdam School of Management, Erasmus University - has a long tradition of entrepreneurship, key to its foundation.
Prominent Rotterdam entrepreneurs founded the university 100 years ago, when the city was already making an effort to improve education for entrepreneurs. The Erasmus School of Economics was the first faculty to engage in research on entrepreneurship thirty years ago, and the first to establish a chair in entrepreneurship. ECE is among the top expert centres worldwide regarding entrepreneurial education, research and stimulation.

Rotterdam School of Management
Erasmus University, Holland

Edwin de Beukelaar

Sobre o Instrutor

Edwin de Beukelaar (1956) studied business economics at the Institute for Business and Economics. He continued his studies at the Institute for Business Administration and Economics where he studied business administration. For his post-graduate studies he went to Tilburg University where he completed his study in business information. He went on to do a Masters degree in information management at Washington University in St. Louis, USA and studied at Harvard, USA and IMD/Lausanne.

After a number of management positions (Mars-EFFEM, BGC) he became director new business development at various organisations (Belgium, The Netherlands), where he was responsible for in-company consulting and executive development programmes. He was associate director at Ashridge Management College, Berkhamsted, England. His main responsibilities are in-company consulting and education, training across Europe, Asia and the Pacific. He founded a new world business school De Beukelaar Groep and is founding partner/director of Corsendonk College, a business school in Belgium located in the beautiful monastery Corsendonk. He is also founding partner of the International Centre, Living Languages (LL) in Holland and Buitengoed HagenHorst, the executive centre in Wassenaar. Besides this professional focus he entrepreneurs construction and flower activities and business ventures. His newest ventures are two new (blue ocean) beach-lands in Noordwijk: St(r)andplaats Nederzandt, Beach Break and Strand(t)huys Buitengewoon.

Edwin has taught, consulted and trained (with) an impressive number of (international) organizations and co-created unique talent- and executive development programmes in combination with a variety of partners/clients. The combination of his energetic style and effective focus with a flavor of fun is widely appreciated.

 

Informações Gerais

Idioma
Este curso será ministrado em Inglês

Introdução
Effectuation was originally developed in the field of entrepreneurship and can be defined as a set of teachable and learnable decision-making principles that together form an overall logic that expert entrepreneurs are observed to employ in situations of uncertainty for creating new ventures and new markets. More generally, effectuation is about the creative process that focuses on human action as the “predominant factor shaping the future” and can be extensively defined as a “general framework of decision making in highly uncertain situations”. In this course, Thomas Blekman , will provide managers, venture capitalists and entrepreneurs with an alternative toolbox for innovation in the face of an unpredictable future.

Sinopse
After half a century of practice, we know unequivocally that the traditional MBA curriculum for running large companies does not work for teams searching for and co-creating new, repeatable, scalable and profitable business models.

The search for a new business model requires dramatically different rules, roadmaps, skillsets and tools in order to:
• guide direction,
• minimize risk to an affordable level
• and optimize chances for success dramatically.

During this course you will be bombarded with ready to use tools, offered as a toolbox to orchestrate entrepreneurship within established companies, gain insights and experiences from companies operating in multiple industries.

It’s a practice driven and hands-on course; you will not only consume attractive content but also be challenged to apply and experience corporate effectuation yourself in collaboration with your fellow participants.

Para Quem
• Everyone who agrees that simply improving the execution of known business models isn’t everything and who wants to learn to apply the entrepreneurial expertise.

Requisitos
• be skeptical, expect this course to be mediocre, think corporate entrepreneurship is just a myth and be open for monumental surprises.

Takeaways
• 5 widely acclaimed decision making principles to cope with unpredictability and uncertainty.
• Stories of multiple companies that already benefited from corporate effectuation.
• Toolbox ready to be used in your own job and company.
• Collaboration ideas with fellow participant(s) ready to be pursued.
• The awakening of your entrepreneurial potential by your laughter.
• 5 widely acclaimed decision making principles to cope with unpredictability and uncertainty.
• Stories of multiple companies that already benefited from corporate effectuation.
• Toolbox ready to be used in your own job and company.
• Collaboration ideas with fellow participant(s) ready to be pursued.
• The awakening of your entrepreneurial potential by your laughter.

Programa

08:30

Credenciamento

09:00

1. What is Corporate Effectuation?
2. Growth Leadership: The best of both worlds.
3. Change leadership styles (directive, masterfull vs emergent
4. Establishing direction and autonomy

13:00

Brunchstorming

14:00

5. “Having to” vs “Wanting to”
6. Orchestrating for autonomy
7. Quilting: Listening, Pitching, Selling and the creation of pull vs push

18:00

Skilling: Get up, stand up!

3. Rede e Inovação nas Organizações

Augusto de Franco
Escritor, palestrante e consultor.
Criador e um dos netweavers da Escola-de-Redes - Brasil.

Sobre o Instrutor

Augusto de Franco é escritor, palestrante e consultor. É o criador e um dos netweavers da Escola-de-Redes - uma rede de pessoas dedicadas a investigação sobre redes sociais e a criação e transferência de tecnologias de netweaving. É autor de várias dezenas de livros e textos sobre desenvolvimento local, capital social, democracia e redes sociais.

Informações Gerais

Idioma
Este curso será ministrado em Português

Introdução
Nos novos mundos altamente conectados que estão emergindo as organizações estão condenadas a inovar. Para inovar é preciso mudar a maneira de fazer as coisas. Em princípio, as organizações até se dispõem a avaliar qualquer mudança que lhes for proposta. O problema é que fazem isso, em geral, defensivamente. Deixam claro que prefeririam mudar sem mudar. Algumas organizações, no entanto, já percebem que há uma relação entre inovação e rede como modus operandi. Sabem que suas organizações foram desenhadas para alcançar a excelência na reprodução das mesmas coisas (mesmos processos, mesmos produtos, mesmos serviços). Para tanto, seus modelos de gestão almejam direcionar e disciplinar a interação, não deixá-la fluir livremente. O padrão de organização mais comum nas organizações atualmente é o padrão piramidal, baseado na escassez de caminhos e desenhado para ensejar o comando e o controle. Por outro lado, sabe-se que esse padrão de interação inibe a inovação. Não se pode tomar uma empresa hierárquica e transformá-la em uma organização em rede de uma vez e, nem, em sua totalidade. No entanto, pode-se aumentar progressivamente o grau de distribuição e, consequentemente, de conectividade e interatividade da rede social formada pelas conexões entre seus colaboradores e demais stakeholders. O curso pretende identificar como agilizar esse incremento do grau de distribuição das organizações começando pela área mais sensível (e compreensível por parte de seus dirigentes): a inovação.

Sinopse
O curso foi estruturado a partir de 24 perguntas que orientarão o debate. O método proposto é baseado no diálogo e na interação entre os participantes que permite a reflexão e o compartilhamento de experiências e visão em torno do tema. O curso ocorre no âmbito da Semana da Inovação Aberta onde experimentos de inovação aberta (Redes de Inovação) estarão ocorrendo simultaneamente em ambientes adjacentes. O objetivo é aproveitar esse ambiente para estimular o debate e reflexões a partir também da observação desses experimentos.

Para quem?
Gestores de empresas, Gestores Públicos, Consultores de inovação, Empreendedores, Formuladores de Políticas Públicas e Promotores de Ambientes de Inovação

Requisitos
Estar disposto ao debate livre e aberto

Takeaways
Compreender o que são redes e organizações em rede, e como identificar e transitar de uma organização centralizada para uma mais distribuída

Programa

08:30

Credenciamento

09:00

• Por que é inútil estruturar um departamento de inovação na sua empresa
• Por que o crowdsourcing tradicional (chamada centralizada) é um desperdício de recursos
• Por que é impossível ter bons resultados com a inovação aberta (open innovation) enquanto sua empresa continuar fechada
• Por que sua empresa está condenada a inovar permanentemente
• Por que não adianta comprar um novo software de inovação
• Por que, provavelmente, você está medindo errado a inovação? Como medir a inovatividade da sua empresa
• Por que redes de inovação em empresas não costumam dar certo
• Por que as métricas de rede que são comumente adotadas pelas empresas não funcionam
• Como reduzir a vulnerabilidade da sua empresa ao risco sistêmico provocado pelo declínio simultâneo de produtividade e inovatividade, mesmo em situações de alto crescimento
• Por que é inútil monitorar as redes sociais
• Por que usar as mídias sociais (como Facebook, Twitter, LinkedIn, Google+ etc) para fazer marketing e RP é um desperdício de recursos
• Por que adotar uma plataforma de rede proprietária não resolve o problema
• Se você está tendo que fazer muita reunião (sobretudo de alinhamento), algo está errado. O que está errado?"

13:00

Brunchstorming

14:00

• Se você está tendo que fazer muita reunião (sobretudo de alinhamento), algo está errado. O que está errado?
• Como evitar que sua empresa contraia doenças auto-imunes? Como evitar que os anticorpos corporativos (TI, Jurídico, RH etc.) sejam acionados para destruir os ambientes favoráveis à inovação na sua empresa
• O que é necessário para fazer a transição de uma empresa hierárquica para uma empresa em rede
• Como encontrar exemplos concretos de organização em rede
• Por que as best practices não são muito relevantes quando se trata de implantar processos de rede em uma empresa
• "Onde isso já foi aplicado e deu certo?" Por que esta pergunta recorrente mais atrapalha do que ajuda
• Por que consultorias de inovação que pretendam implantar processos de rede em uma empresa não podem ser feitas apenas como prestação de serviços de consultores externos
• Sua empresa precisa de radiografia ou de endoscopia? Por que não adianta fazer apenas uma análise de redes sociais (SNA ou DNA) na sua empresa
• Por que sua empresa (querendo ou não e mais cedo do que mais tarde) será obrigada a implantar processos de rede no seu ecossistema
• Quais os processos de rede que sua empresa já pode implantar agora? Como reconfigurar o ambiente virtual da empresa
• Quais os processos de rede que sua empresa já pode implantar agora? Como reconfigurar o ambiente físico da empresa
• Quais os processos de rede que sua empresa já pode implantar agora? Como configurar o ambiente de desenvolvimento (ou de inovação) da empresa

18:00

Aprendizagem e Fechamento

4. Gestão Estratégica da Inovação e Internacionalização

Eduardo Vasconcellos
Prof Titular da FEA USP na área de Gestão da Inovação e membro do Conselho Curador da FIA

Sobre o Instrutor

Administrador pela USP, MBA pela Vanderbilt University (USA), Doutor em Administração pela USP, cursos de aperfeiçoamento na área de gerenciamento da inovação no IMD (Suíça) e MIT (USA). Professor Titular da FEA/USP nas áreas de Organização para Inovação e Gestão da Inovação Tecnológica na empresa. Pesquisador e consultor de empresas nas áreas de organização para inovação e gestão estratégica da tecnologia há 42 anos. Consultoria em gestão tecnológica e gestão da inovação para: Metal Leve, Aracruz, Copersucar, IPT, Concremat Tecnologia, Estado Maior do Exército e Secretaria de Ciência e Tecnologia do Exército, Polialden, Health Panamerican Organization (Washington), ONU (Finlandia e Austria), Diretoria de TI do Grupo Itaú, Agroceres, Vallée, Metrô, Vale, Embrapa, Biobrás, Cosipa, Acesita, CEMIG, Rhodia, Mercedes Benz, CPqD - Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da Telebrás, Corn Products, VW, TECBAN, Wahler, J&J e outras. Visiting Scholar junto ao Technology Institute, da Northwestern University (USA); Palestrante junto à SOPHIA University, (Japão); Membro da Diretoria da IAMOT - International Association for the Management of Technology (EUA), Membro do Comitê de Supervisão do Estudo sobre a Competitividade da Indústria Brasileira, por indicação do Ministro de C&T; Visita ao Japão a convite do Governo Japonês para estudar gestão da inovação na: Mitsubishi, Fugitsu, Matsushita, Hitachi, Sony e outras; Membro do comitê editorial das seguintes revistas internacionais: Technovation (USA), R&D Management (Inglaterra) Technology Management Journal (USA) e Journal of Engineering and Technology Management ( USA). Participação em duas reuniões sobre Technology Management no MIT a convite da Embraer.

Informações Gerais

Idioma
Este curso será ministrado em Português

Introdução
Este curso visa explorar a capacidade em gestores de refletir sobre temas estratégicos para inovação e internacionalização. O curso irá mostra como propostas conceituais sobre estratégia tecnológica e internacionalização são aplicadas pelas empresas com base em mais de 30 anos de pesquisa e consultoria do instrutor.

Sinopse
O curso sera dividido em duas partes. A primeira parte focará os temas ligados a estratégia, a saber: mapeamento do modelo do negócio identificando fatores de sucesso; geração um portfolio de projetos alinhado com a estratégia da empresa; identificação de quais tecnologias são estratégicas para o sucesso do negócio; avaliação da capacidade tecnológica da empresa frente aos concorrentes; definição de ferramentas para antecipar ameaças e oportunidades tecnológicas; identificação de etapas para delinear um plano estratégico para a tecnologia; identificar fatores críticos para avaliar a gestão tecnológica. A segunda parte do curso irá explorar aspectos relacionados a internacionalização das atividades de inovação, o papel das subsidiárias das multinacionais em relação à P&D e inovação, o grau de descentralização de P&D e o processo de mudança para o aprimoramento e inovação tecnológica e gerencial. As práticas serão ilustradas com casos de empresas como Vale, Cemig, Wahler, Magnetti Mareli, 3M, Cosipa e das empresas presentes.

Para quem?
O curso é voltado para executivos de grandes empresas envolvidos em temas relacionados a gestão da inovação, estratégia e internacionalização. São bem vindo consultores de mercado, formuladores de políticas públicas e outros especialistas que trabalham com o tema.

Requisitos
Estar bem disposto a participar ativamente das dinâmicas do curso e a compartilhar seus pensamentos e experiências com os demais.

Takeaways
"Ferramentas e conteúdo para reflexão estratégica Aprendizagem cruzada a partir da interação com outros executivos e especialistas"

Programa

08:30

Credenciamento

09:00

1. Descoberta, Invenção e Inovação
2. Visão integrada do processo de gerenciar tecnologia na empresa em sintonia com a estratégia
3. Como integrar a carteira de projetos tecnológicos com a estratégia da empresa
4. Como identificar quais são as tecnologias estratégicas para o sucesso do negócio
5. Como avaliar a capacidade tecnológica da empresa em relação aos concorrentes
6. Como identificar oportunidades e ameaças tecnológicas e a importância da técnica Delphi e technological roadmaps
Os tópicos acima serão ilustrados por exemplos de várias empresas como Vale, Cemig, Wahler, Magnetti Mareli, 3M, Cosipa e outras

13:00

Brunchstorming

14:00

7. Modelos de Negócio inovadores, Internacionalização e fatores de sucesso - o caso Google
8. Internacionalização de P&D, Inovação e Competitividade: A mudança no papel das subsidiárias das multinacionais em relação à P&D e inovação
9. Como decidir sobre o grau de descentralização de P&D? (seja em nível nacional seja em nível internacional)
10. Como a subsidiária da 3M do Brasil chegou a uma posição de destaque?
11. Inovação/aprimoramento (tecnológica ou gerencial) e o processo de mudança: como mapear e vencer resistências aumentar a chance de sucesso em mudanças nas empresas. O caso da empresa de projetos de engenharia na área de Energia Elétrica.

18:00

Aprendizagem e Fechamento